(12-04-2017) Com 85 anos, hotel histórico está à venda em Cornélio



Construído no início da década de 1930, o Hotel do Norte, em Cornélio Procópio, está à venda. O local, que acompanhou a história do município, é um dos pontos de referência da Avenida Marechal Deodoro, uma das vias mais antigas da cidade. Feito originalmente em madeira, foi adquirido em 1939 pela família Shimazaki, que lhe deu a atual fachada, em concreto.

"Ele foi erguido em um ponto estratégico: próximo às antigas estações ferroviária e rodoviária, um local de intenso movimento comercial e de viajantes antigamente", conta o historiador, professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná em Cornélio Procópio (UTFPR), Roberto Bondarik. O hotel é mais antigo que o próprio município, que completa 80 anos em 2018.

Atualmente a administração está nas mãos da segunda geração da família Shimazaki. Takashi Shimazaki, de 75 anos, também conhecido como Luis (apelido brasileiro), é o filho mais novo de Ywakiti Shimazaki, que adquiriu o hotel em 1939.

"Meu pai era da região de Nagano, no Japão. Serviu ao seu país na Primeira Guerra Mundial. Tinha o espírito aventureiro e rodou o mundo. Em 1922 casou-se com minha mãe, num casamento arranjado, comum naquela época, e vieram para o Brasil. Ele contava que diziam por lá que aqui o café dava ouro", lembra. Após viver alguns anos em Ribeirão Preto (SP), a família Shimazaki, com seis crianças, migrou para o Norte do Paraná. "Diziam que na região brotava dinheiro, por isso vieram tentar a sorte", conta.

Hóspedes ilustres
Quando Ywakiti comprou o hotel, o local tinha uma estrutura desgastada, de madeira. "Meus irmãos mais velhos contam que entre os hóspedes mais importantes estavam os engenheiros e trabalhadores da estrada de ferro. Muitos eram ingleses, loiros, altos, de uniformes brancos", conta. Entre os hóspedes mais ilustres está o senador Abilon Sousa Naves, que ajudou a mudar a cara do hotel.

"Ele foi presidente da Caixa Econômica e incentivou meu pai a reformar o hotel. A região precisava de maiores estabelecimentos em função do rápido crescimento. Com ajuda dele, meu pai conseguiu um financiamento para a construção, e o hotel ganhou os traços que possui até hoje", fala Takashi.

O projeto do hotel foi realizado pelo padre que fez a atual Catedral da cidade, José Kandiziora, e assinado pelo engenheiro Luis Trajano. "Meu pai era uma pessoa muito católica, muito caridosa, ajudava a igreja. O projeto foi um presente do padre Kandiziora", conta Takashi.

As obras da reforma iniciaram em 1947 e terminaram em 1952. Inicialmente eram 78 quartos, mas com o tempo a família foi realizando mudanças internas, e atualmente são 50. "Para colocar banheiros privativos, tivemos que unir algumas acomodações."

Importância histórica
O historiador Bondarik ressalta a importância do hotel para a região. "Ele não era um ponto apenas para pouso, mas também para passantes que esperavam seu trem ou ônibus. Era um local para as pessoas tomarem um banho, descansar e comer. Havia um salão grande para o restaurante. Era um local de muito movimento", conta.

Com as geadas e crises do café, o centro antigo de Cornélio Procópio foi perdendo destaque, especialmente após o fechamento da estação ferroviária e a mudança da rodoviária para o Jardim Panorama. Hoje a diária no Hotel do Norte custa R$ 40.

"Por conta da estrutura antiga, não conseguimos colocar ar-condicionado, ou promover todas as reformas elétricas e hidráulicas necessárias. Meus irmãos se espalharam. Se eu fosse jovem e tivesse energia, realizaria as mudanças para continuar com o hotel, mas infelizmente precisamos liquidar a herança da família", conta Takashi entre lágrimas. "Espero apenas que o comprador tenha respeito pelo legado da minha família, que é também um patrimônio que conta a história da nossa cidade."

Barris gigantes para banhos dos hóspedes
Takashi Shimazaki conta que o hotel foi ponto de referência da comunidade japonesa da região durante muitos anos. "Diversas festas aconteciam no nosso hotel",lembra. Ywakiti Shimazaki, pai de Takashi, era bastante conhecido por acolher os japoneses recém-chegados e promover a caridade na cidade. Em 1978, semanas antes de morrer, ele recebeu uma comenda do governo japonês por serviços prestados à comunidade japonesa "Foi a grande alegria da vida dele. Morreu feliz aos 93 anos." O corpo do patriarca está enterrado no Cemitério Municipal de Cornélio Procópio.

Durante muitos anos o hotel foi administrado pela mãe de Takashi, Seo Shimazaki, falecida na década de 1990, e a irmã Rosa. "A lembrança que tenho de minha mãe é de muito trabalho. Ela só sabia que era domingo porque ia na missa. Acordava de madrugada para acender o fogão a lenha e fazer o café da manhã. Fazia todas as refeições do hotel, incluindo a sopa, que nunca faltava. Até 1960 o abastecimento era com água de poço. Ela e meus irmãos colocavam água em barris gigantes para o banho dos hóspedes. Era um trabalho muito árduo. Com 1,50m de altura, ela conseguia controlar tudo. Era uma guerreira", relata. (R.P.)
Rubia Pimenta
Especial para a FOLHA DE LONDRINA
(12-04-2017) Com 85 anos, hotel histórico está à venda em Cornélio (12-04-2017) Com 85 anos, hotel histórico está à venda em Cornélio  Revisado por Blog do Chaguinhas on 11:07:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Anúncios