Governo Federal gastou mais de R$179 milhões com assessorias de imprensa, em 2016.



A União pagou pelo menos R$ 179.203.705,85 por serviços terceirizados de assessoria de imprensa em 2016. As empresas que mais receberam recursos públicos por este serviço foram a FSB Comunicação, a CDN e o Grupo Informe.
O valor representa 1 aumento de 28% em relação a 2015, quando foram gastos R$ 140.001.326,47.
A FSB faturou R$ 68,4 milhões com suas contas no âmbito federal (38,1% do total pago pela União a todas as empresas de assessoria). A CDN recebeu pagamentos de R$ 29,5 milhões (16,4% do total). O Grupo Informe teve R$ 24,9 milhões (13,9%).
Essas 3 empresas (FSB, CDN e Informe) já lideravam o ranking em 2015. Juntas, faturaram em 2016 um total de R$ 122,8 milhões, o equivalente a 68,5% de tudo o que a União gastou com assessorias de imprensa.
Todos os pagamentos mencionados nesta reportagem são legais, amparados por contratos. As empresas são selecionadas por licitações ou por pregões eletrônicos (1 processo simplificado).
Embora a margem de erro seja pequena, é possível que os gastos de R$ 179,2 milhões tenham sido até maiores. É que os sistemas federais de controle orçamentário muitas vezes são falhos (alguns dados são lançados manualmente) e não registram exatamente todas as despesas.
Além disso, não estão incluídos os valores pagos por várias empresas estatais que contratam assessorias de imprensa terceirizadas. A Petrobras, por exemplo, mantém um contrato com a FSB.
Além das estatais não fazerem parte da União, os dados das estatais não estão disponíveis na ferramenta Siga Brasil e no Portal da Transparência, usadas neste levantamento.
Até 2010, a praxe nos órgãos públicos era contratar apenas empresas de publicidade e propaganda. Estas, por sua vez, subcontratavam os profissionais de assessoria de imprensa.
Naquele ano, o lobby do setor no Congresso conseguiu emplacar 1 dispositivo na lei 12.232 (sobre licitações de publicidade) proibindo a subcontratação. As assessorias passaram a ser contratadas diretamente e o faturamento dessas empresas no setor público deslanchou.
A tabela abaixo mostra quanto cada empresa de assessoria recebeu da União em 2016
por_empresa_assessorias_2016
Em 2016, o Ministério da Saúde foi o órgão que mais gastou com serviços de assessoria de imprensa. A pasta chefiada por Ricardo Barros é atendida pela FSB. Juntos, o ministério e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é atendida pelo Grupo Informe, gastaram R$ 25,2 milhões com assessoria em 2016.
Em seguida vem o Ministério do Esporte, com gastos de R$ 18,5 milhões. Em 2015, o Esporte foi o campeão de gastos com esse tipo de serviço.
As assessorias fazem atendimentos a jornalistas, dão consultoria a autoridades, produzem relatórios, press-releases e outros textos promocionais. Realizam também treinamentos para entrevista e produção de materiais de divulgação.
Quando 1 ministro dá entrevista a vários meios de comunicação –”coletiva”, no jargão jornalístico–, por exemplo, é a assessoria de imprensa que convoca os repórteres e acompanha a autoridade no encontro.
Também cabe ao assessor telefonar para repórteres para divulgar informações. Em alguns casos, são os funcionários das assessorias que telefonam para os veículos de comunicação para reclamar de notícias publicadas.
A tabela abaixo mostra quanto cada órgão gastou com serviços de assessoria de imprensa:
assessorias_2016_por_orgao
A cifra de R$ 179,2 milhões mencionada nesta reportagem inclui os valores pagos em 2016, divididos em duas categorias. Primeiro, os serviços prestados e pagos em 2016 (no caso, R$ 143,5 milhões). Segundo, pagamentos feitos a assessorias em 2016 para saldar serviços prestados em anos anteriores (esses “restos a pagar” foram de R$ 35,7 milhões).
Clique aqui para acessar a tabela completa, com o detalhamento de todos os dados de 2016.
Esta reportagem é a 2ª edição de 1 levantamento iniciado em 2015. Leia aqui a reportagem original, de 29 de outubro daquele ano. A 1ª reportagem usou metodologia diferente da atual, pois considerou somente os gastos do Poder Executivo.
Clique para acessar a tabela completa com o detalhamento dos dados de 2015, usando a mesma metodologia de 2016.

SETOR FATUROU R$ 2,3 BILHÕES EM 2016

O setor de assessorias de imprensa está para anunciar que 2016 teve uma receita total de cerca de R$ 2,3 bilhões. A informação é de Carlos Henrique Carvalho, presidente executivo da Abracom, entidade que reúne as principais empresas do setor.
Segundo Carvalho, o resultado representa 1 crescimento quase nulo em relação a 2015. Ele afirma que é o primeiro ano sem aumento desde que o monitoramento começou a ser feito. O número oficial será divulgado pela Abracom nas próximas semanas.
Os ganhos com clientes da iniciativa privada ficaram estagnados em 2016.
O dirigente da Abracom diz ainda que o governo brasileiro é tímido ao contratar serviços de relações públicas. “Estamos longe do que se faz em países de economia similar, que dirá dos países desenvolvidos”, afirma. Ele defende a atuação das empresas do setor e diz que elas podem contribuir para melhorar a qualidade do serviço prestado ao público pelos órgãos.

O QUE DIZEM AS EMPRESAS

Todas as empresas de assessoria mencionadas neste post foram procuradas e tiveram 3 dias para se manifestar, caso desejassem. Algumas enviaram notas à reportagem. Eis as respostas:

PARTNERS

Em Brasília atendemos as seguintes contas em 2016:
– STF
– Ministério do Trabalho
– Tribunal Federal Regional 1
–  Tribunal Superior do Trabalho
Esses valores somados deram 1 montante de R$ 17.608.969,01
Nunca atendemos a conta do Ministério da Educação e nem da Justiça Federal.
A conta do Ministério da Fazenda atendemos no período de dezembro de 2012 a dezembro de 2013
O Poder360 explica: a resposta da Partners considera apenas os clientes atendidos fisicamente em Brasília, enquanto o levantamento do Poder360 leva em conta todos os clientes da União. No caso do MEC, o local atendido é a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, embora o pagamento seja feito pelo Ministério da Educação. No caso da Fazenda, a Partners atendeu a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), vinculada ao orçamento do Ministério.
P.S. [às 17h10 de 14.fev.2017]: a assessoria de imprensa do Tribunal Superior do Trabalho (TST) diz que a empresa Partners nunca atendeu ao tribunal. A informação do TST é condizente com o levantamento do Poder360, segundo o qual a Partners atendeu ao Tribunal Regional (TRT) da 8ª Região.

GRUPO INFORME

A Informe tem contrato com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), e não com o Ministério da Saúde. Da mesma forma, tem contrato com o Banco Central, e não com o Ministério da Fazenda”.
O Poder360 explica: embora a empresa atenda à ANS e ao Banco Central, os desembolsos são vinculados aos orçamentos do Ministério da Saúde e do Ministério da Fazenda, respectivamente.

RP1 BRASÍLIA COMUNICAÇÃO

No ano de 2016, a RP1 Brasília Comunicações Ltda. recebeu do Ministério do Desenvolvimento Agrário / Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário o valor total bruto de R$ 3.918.674,25 (três milhões novecentos e dezoito mil seiscentos e setenta e quatro reais e vinte e cinco centavos), referente ao contato 53/2011, firmado em 19/10/2011, processo 55000001585201138, que tem como fundamento legal a Lei nº 8.666/93”.

MÁQUINA DA NOTÍCIA

A empresa disse ter recebido R$ 6,3 milhões em 2016, por serviços prestados à Embratur.
Fonte: Poder 360
Governo Federal gastou mais de R$179 milhões com assessorias de imprensa, em 2016. Governo Federal gastou mais de R$179 milhões com assessorias de imprensa, em 2016. Revisado por Blog do Chaguinhas on 09:34:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Anúncios