Últimas notícias

Um jovem apaixonado pelo conhecimento

"Acredite que tudo é possível e corra atrás", aconselha Gustavo Palote

A curiosidade e o gosto por desafios são estímulos para a paixão que Gustavo Palote da Silva Martins, 17, tem pelo conhecimento. Ele acaba de retornar para a sala de aula, no curso de biotecnologia do IFPR (Instituto Federal do Paraná), campus Londrina, com mais uma bagagem internacional. Ele conquistou duas medalhas de bronze (individual e em equipe) na 20ª Olimpíada Internacional de Linguística, realizada em Praga, na República Tcheca. Na equipe, além de Palote, participaram Catarina Oliveira (Ceará), João Henrique (RJ), Ana Luiza Nunes (MG) e Pedro Marinho (BA), que recebeu uma menção honrosa.  


Nesta edição participaram 192 alunos de 48 equipes de cerca de 40 países. Paralelamente à de Linguística, aconteceu a olimpíada de Química. Na colocação geral, as duas equipes brasileiras ficaram em quarto e oitavo lugares.

Em Linguística, Palote é o único entre os brasileiros que já possuía experiência internacional. Em 2017, ele recebeu uma menção honrosa por desempenho na Olimpíada Internacional de Linguística, em Dublin, na Irlanda.

O londrinense diz que a participação em olimpíadas tem sido a experiência mais incrível de sua vida até agora. "Nessa edição eu já tinha uma ideia sobre como seria a prova, mas no ano passado foi tudo uma grande novidade", diz, comentando que a prova não tem um conteúdo específico. "É sobre a ciência da língua e cada ano são línguas diferentes. Nós precisamos usar o raciocínio lógico para responder as questões. Ter participado da olimpíada no ano passado me deu mais segurança no formato da prova, mas o conteúdo é muito difícil", afirma.

Orgulhoso, o pai Vicente Palote conta que o filho também conquistou uma medalha de ouro na OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas) 2018.
Além disso, ele já recebeu medalhas em olimpíadas de outras disciplinas, como Geografia e Física.

"Ele surpreende a gente. Semanas antes da olimpíada do ano passado, na Irlanda, ele havia me perguntado o que era Linguística e, mesmo sem saber a resposta, me pediu para se inscrever. Tudo tem acontecido rápido demais", comenta o pai. "Ele sempre estudou em escola pública, mas sempre esteve à frente da turma, pois tinha muita facilidade para aprender."

Agora, Palote vai se decidir sobre qual profissão seguir. Segundo o pai, a participação em olimpíadas de diferentes áreas abriu um leque de possibilidades. "Minha matéria preferida é matemática e por isso penso em algo na área de Exatas ou Biológicas, mas ainda não me decidi", responde o jovem, que cita a amizade com estudantes de outros estados brasileiros e países como a melhor das experiências. 



A equipe brasileira tem o patrocínio do Instituto Vertere e Equitas, que investe em treinamento e suporte socioemocional dos estudantes. "O resultado mostra que estamos conseguindo fomentar no País uma cultura olímpica, o que é fundamental para a transformação de nossa educação", afirma o diretor do instituto, Daniel Lavouras.

E para incentivar outros estudantes a participar de eventos como as olimpíadas, o jovem talentoso deixa um recado: "Acredite que tudo é possível e corra atrás, porque sempre vai ter alguém que possa te ajudar."



Micaela Orikasa
Reportagem Local/FOLHA DE LONDRINA


Nenhum comentário