Últimas notícias

Chuva causa estragos na região metropolitana de Londrina

Em Ibiporã, uma equipe da prefeitura teve de recuperar parte do forro do terminal rodoviário que caiu com a chuva na quarta à noite.

Fortes chuvas atingiram Londrina e região desde a tarde de quarta-feira (19) e causaram estragos em algumas cidades, especialmente pela queda de granizo.  


Em Bela Vista do Paraíso, as pedras de gelo caíram durante a madrugada de quinta-feira (20) e danificaram o telhado de 63 residências. Segundo o comandante dos bombeiros comunitários no município, Robison André Bittencourt, "as famílias estão sendo assistidas com lonas. Apesar dos danos materiais, não houve vítimas". 

Os bombeiros registraram a queda de seis árvores. "Hoje o trabalho dos agentes foi fazer o cadastro das famílias para saber a quantidade de telhas que serão necessárias", afirmou Bittencourt. Ainda de acordo com os bombeiros, em Porecatu aproximadamente 40 casas foram destelhadas pelo granizo. Uma família ficou desalojada. "Agora a situação está controlada e foram distribuídos 400 metros de lona para atendimento à população", explicou o comandante.

Já em Tamarana o granizo durou de 10 a 15 minutos na quarta-feira (19), mas a Defesa Civil não registrou danos causados pelas chuvas.

Trecho de uma linha do transporte escolar que atende uma região da Terra Indígena Apucaraninha ficou interditado nos últimos dias. Isso porque a estrada começou a receber reparos antes do início das chuvas, mas, com o aguaceiro, o serviço não pôde continuar.

A Secretaria de Educação de Tamarana já esclareceu a situação ao NRE (Núcleo Regional de Educação) e, de acordo com a assessoria da prefeitura, a pasta de Obras voltará a trabalhar no local assim que o tempo ficar estável.

Em Ibiporã, a forte chuva provocou a queda de parte do forro do terminal rodoviário. O incidente foi na noite de quarta e na quinta pela manhã, uma equipe da prefeitura estava no local.

Um dos servidores da secretaria municipal de Obras explicou que o condutor para escoamento da água estava obstruído por uma pomba morta e com isso, a água da chuva acumulou, derrubando parte da calha que fica no forro. Apesar do susto, ninguém se feriu. A funcionária de uma loja de passagens no terminal, chegou para trabalhar às 6h e encontrou tudo alagado. "Por sorte, não aconteceu nada mais grave. Foi só o susto mesmo", disse.

No conjunto José Pires de Godoy, o carro do autônomo Milton Guilherme Duques, foi atingido por uma árvore. Ele conta que estava com as chaves na mão, para buscar os netos na escola, quando viu o veículo ser atingido. "O carro encostou o assoalho no chão. Desalinhou toda a suspensão. Pelo jeito, não tem mais o que fazer", lamenta.

Em Arapongas, duas árvores caíram, obstruindo parte das vias, mas não houve maiores transtornos.

Já em Londrina, o setor de áreas verdes da Sema (Secretaria de Meio Ambiente), registrou a queda de 12 árvores em vias públicas.

Na região de Lerroville, três carros ficaram atolados na estrada rural do assentamento Eli Vive na quarta-feira (19). Nesta quinta (20), as linhas nem foram percorridas pelo risco de atolamento. Segundo Marcos Silveira, gerente de transporte escolar da secretaria municipal de Educação, o problema das chuvas em estradas rurais é antigo. "Já tivemos uma reunião para tratar do assunto. Quando chove, atola", resume.

De acordo com o gerente, nesses casos as escolas são orientadas a repor o conteúdo por meio de atividades domiciliares. "É um meio de compensar o conteúdo perdido", afirmou.

Dados da estação meteorológica do Simepar apontam que entre o final da tarde de quarta e início da manhã de quinta, choveu 20 milímetros em Londrina, um volume considerado dentro da normalidade. "O desenvolvimento de nuvens conectivas, que foi o que tivemos na quarta-feira, tem potencial para a ocorrência de chuvas fortes e incidência de raios", explicou a meteorologista Angela Beatriz Costa.

De acordo com ela, áreas de instabilidade que estavam no Paraguai, avançaram pelo Paraná e alcançaram as regiões Oeste, Noroeste e Norte. "Como estamos perto da primavera, a gente já vai adquirindo a característica da estação, com aumento de chuva, descarga atmosférica (raios) e ventos fortes."

A partir desta sexta-feira (21), essas áreas de instabilidade começam a se afastar da região e, no sábado, se houver chuvas, elas devem acontecer em pontos isolados, de forma irregular e mal distribuídas. O Simepar prevê para esta quinta-feira uma temperatura máxima de 24 graus. Na sexta-feira (21), a temperatura varia entre 17 e 29 graus e, no sábado, a máxima chega aos 30 graus.

(Colaborou Isabela Fleischmann)

Micaela Orikasa
Reportagem Local - FOLHA DE LONDRINA

Nenhum comentário