[Fechar]

Últimas notícias

Nos EUA, cidades com migrantes brasileiros e hispânicos têm 30% mais mortes por Covid-19

Falta de acesso à saúde, medo de deportação, ramos de atuação profissional e falta de segurança financeira explicam maior incidência de casos nesse grupo.




"Era como se duas mãos fortes me apertassem com força o peito, em direção às costas. Eu ia ficando fininha, fininha... O ar não passava mais, eu não conseguia respirar", conta a mineira Luíza*, de 47 anos, sobre os efeitos do coronavírus em seu corpo.
Luíza é faxineira no estado americano de Massachusetts e desenvolveu os sintomas de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus — febre, tosse, falta de ar, cansaço e dor de garganta — alguns dias depois de ter limpado a casa de uma família americana em que todos estavam doentes. "Quando saí de lá passei desinfetante no corpo todo e fui pedindo proteção a Deus", conta.
A falta de ar e o cansaço, que começaram há quase duas semanas, ainda persistem.
Luiza chegou aos Estados Unidos há 16 anos, depois de atravessar a fronteira do país com o México. Desde então, jamais conseguiu regularizar sua situação — segue indocumentada, o que a impede de receber seguro desemprego ou auxílio financeiro do governo americano em meio à crise do coronavírus.
Por isso, e diante de uma redução de 70% em sua renda mensal, que antes chegava a US$ 4 mil (R$ 21 mil), Luiza teve que seguir trabalhando, apesar do medo de se contaminar. Não deu outra. Nem duas semanas depois que o governo declarou quarentena em todo o estado de Massachusetts, ela adoeceu.
O caso de Luiza é exemplar do que tem acontecido nos Estados Unidos, o novo epicentro global da pandemia, com cerca de 700 mil casos e 36 mil mortes. O coronavírus não atinge a população americana igualmente. Mais casos — e mais mortes — são registrados entre as comunidades de migrantes da América Latina.
É o que mostra um levantamento sobre a epidemia feito pela BBC News Brasil nos três Estados americanos que concentram em torno de 80% da população brasileira no país, além de grande contingente de migrantes da América Latina no geral: Nova York, Massachusetts e Flórida.
Quando analisados os municípios que abrigam mais latinos, os números mostram que os habitantes dessas áreas tiveram entre 20% e 33% mais chances de adoecer e de morrer, em relação aos números do estado como um todo.
Desigualdade na doença
A reportagem cruzou a base de dados de municípios onde viviam os pacientes acometidos pela doença, compilada pelo jornal The New York Times a partir das informações dos serviços de saúde, com as projeções do censo americano de 2018 da distribuição populacional por raça e etnia nesses mesmos municípios.

Enquanto no Estado de Nova York houve 52,4 casos de Covid-19 para cada mil habitantes, nos municípios com maior concentração de latinos foram 66,2 casos por mil habitantes. Ou seja, nas áreas brasileiras e hispânicas, os moradores tinham 25% mais chances de ficarem doentes. O mesmo vale para mortes em Nova York, onde houve 1,1 mortes por mil habitantes. Nas áreas latinas, o número sobe para 1,3.

Tendência semelhante acontece em Massachusetts. Enquanto o cômputo na população geral é de 34,9 casos por mil pessoas, nos municípios com mais latinos o número sobe para 46,5 por mil, isto é, uma taxa de adoecimento mais de 30% maior. No mesmo Estado, a letalidade de moradores de municípios latinos foi 25% maior. Na Flórida, onde a epidemia ainda é menos grave, com 10,6 doentes pra mil habitantes no geral, municípios latinos somam 13,7 por mil e têm 50% mais mortes: 0,3 por mil contra 0,2 por mil no Estado.

Para começar: problemas na saúde
De acordo com os especialistas, a explicação para o fenômeno está nas condições de vida e trabalho desses migrantes, que propiciam o contágio e dificultam o acesso ao tratamento.
"Os migrantes latinos já chegam nesta crise de saúde debilitados. Eles têm pouco acesso à saúde, precisam dividir o aluguel e por isso moram em casas aglomeradas com muitas pessoas, têm os trabalhos mais extenuantes e precários", afirmou à BBC News Brasil Álvaro Lima, diretor de pesquisa da Agência de Planejamento e Desenvolvimento de Boston.
De acordo com uma pesquisa de 2013 do centro de estudos The Inter-American Dialogue, que se dedica a estudar questões sociais das Américas, cerca de metade dos migrantes latinos vivendo nos Estados Unidos preferia se automedicar a procurar ajuda clínica em caso de doença.
Parte disso se explica pela falta de convênio médico de muitos deles. Ainda segundo o Inter-American Dialogue, 35% dos migrantes não têm seguro de saúde — o índice é maior entre os indocumentados. Os Estados Unidos não possuem um sistema universal público de saúde e o acesso a serviços médicos é caro — uma consulta em um serviço de pronto atendimento pode custar alguns milhares de dólares.
"Sem tratamento ou prevenção de doenças pré-existentes, o coronavírus pode levar a quadros mais graves para migrantes latinos que não têm recebido tratamento para hipertensão, diabetes ou outras doenças crônicas comuns no grupo. Não apenas o custo da saúde, mas a retórica e as políticas anti-imigrantes nos últimos anos impediram parte desse grupo de obter os cuidados de saúde necessários", afirma Paul Fleming, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Michigan e especialista em temas de saúde de latino-americanos.
Fleming se refere ao endurecimento das ações do ICE, departamento americano de imigração e alfândega, que intensificou na gestão Trump a busca por migrantes indocumentados. Muitos deles temem que, ao buscar ajuda médica, possam ser denunciados pela equipe do hospital ou mesmo abordados em uma batida do órgão na rua, o que os levaria à prisão e à deportação.
"A convergência da xenofobia e da Covid-19 levou a uma escolha horrível para migrantes sem documentos: devo ou não sair das sombras? Fazer o teste pode significar ser deportado. Ser tratado pode significar ser deportado", resumiu Ibram X. Kendi, diretor do Centro de Pesquisa e Políticas contra o Racismo da American University, em um artigo para a revista The Atlantic.
Em Massachusetts, Luiza conta com um sistema básico de saúde, oferecido pelo Estado, que fez o diagnóstico de Covid-19 quando os primeiros sintomas apareceram. Quando o caso se agravou para a falta de ar, no entanto, ela optou por não ir ao hospital. "Preferi ficar tratando em casa com bastante chá, antitérmico e canja", conta.
Na cidade de Nova York, que sozinha responde por mais de 200 mil casos da doença, a prefeitura reconheceu uma taxa alarmante: ali, um migrante latino tem duas vezes mais chances de morrer de Covid-19 do que um branco. "A verdade é que de muitas maneiras os efeitos negativos do coronavírus — a dor e as mortes que ele causa — se relacionam com nossas profundas e antigas disparidades no acesso à saúde", afirmou o prefeito de Nova York Bill de Blasio, há uma semana.
Condições de trabalho arriscadas

Luiza afirma que assim que os sintomas e a quarentena acabarem, estará disposta a voltar imediatamente às faxinas. "Algumas das minhas patroas até me pagaram normalmente esse mês, mesmo que eu não tenha ido trabalhar. Mas no mês de maio, não tem nada combinado. Se não trabalho, não ganho. E tenho que mandar R$ 5 mil por mês pra pagar a faculdade de Odontologia da minha filha no Brasil e ajudá-la a sobreviver", diz Luiza.
A situação dela é comum entre os migrantes. Suas principais áreas de atuação (serviços, construção civil, transporte) foram as mais afetadas pela crise. Sem muitas garantias ou reservas, eles tendem a tentar se reencaixar no mercado de qualquer maneira, mesmo com a paralisação quase total da economia.

"Se já não perderam o emprego imediatamente e ficaram sem renda, eles são os trabalhadores da linha de frente: faxineiros, auxiliares de enfermagem, trabalhadores dos supermercados, motoristas, entregadores de delivery de restaurantes. Então é quase que apenas uma questão de tempo para que eles se contaminem", avalia Lima.
No Queens, o bairro de Nova York mais afetado pela epidemia e um dos redutos brasileiros na região, a baiana Elzir Ribeiro, de 58 anos, mantém um restaurante de comida brasileira há 12 anos. Diante da epidemia, o estabelecimento reduziu o atendimento a retiradas e entregas em domicílio. O movimento caiu 80%. Na região, há quem atribua o alto grau de disseminação da doença aos trens lotados da linha sete do metrô, que leva os moradores do Queens até a ilha de Manhattan e era muito usado pelos trabalhadores brasileiros nos horários de pico.
Elzir admite sentir medo de se contaminar, mas diz que fechar o restaurante nunca foi uma opção para ela, que depende da renda do negócio para se sustentar. Na tentativa de se proteger, novos procedimentos foram adotados: ao lado da porta de entrada do restaurante há uma pia, com sabonete, e uma caixa de luvas descartáveis. Todo cliente que entra tem que lavar as mãos e colocar luvas antes de se aproximar do balcão para retirar sua comida.
"Até agora deu certo, não fiquei doente. Eu preciso do restaurante para viver e prefiro andar com minhas próprias pernas do que pedir ajuda ao governo", diz Elzir, que se naturalizou cidadã americana há quase 20 anos.
Onde se esconde a pandemia
Por enquanto, o governo americano não tem disponibilizado dados nacionais que indiquem quais são os grupos raciais e étnicos mais atingidos pela epidemia. De acordo com os especialistas, isso é um problema porque impede que sejam formuladas políticas públicas específicas para conter o espalhamento da doença em meio a essas comunidades.

As informações serão cruciais até mesmo para entender que partes dos Estados poderão sair da quarentena e em que áreas pode ser necessário aumentar restrições ou prover auxílio de saúde pública e de renda mais intensos.
Cidades e estados têm começado a tentar entender exatamente o perfil dos doentes por coronavírus. Pode ser um trabalho desafiador, já que em muitos casos, como em Massachusetts, quase 40% dos atendimentos feitos a pacientes de Covid-19 não registraram a raça ou etnia dos atendidos.
"Nós sabemos que existem desigualdades significativas que colocam nossa comunidade de imigrantes em maior risco de contrair coronavírus e desenvolver formas graves da doença", reconheceu há uma semana o prefeito de Boston, Marty Walsh, que resumiu: "Dados são uma informação crítica para saber o impacto dessas desigualdades e para ajudar o público a entender o vírus e seus riscos".

FONTE – GLOBO.COM

Nenhum comentário