[Fechar]

Últimas notícias

Policiais e agente penitenciário são alvos de operação contra a fabricação e venda de anabolizantes em Londrina


Catorze mandados de busca e apreensão foram cumpridos em uma operação da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) de Londrina, no norte do Paraná, contra um grupo suspeito de fabricar e vender ilegalmente anabolizantes em academias. Três agentes públicos são investigados por participação no esquema.

A Denarc começou a investigar o esquema em 2019 após encontrar um laboratório clandestino do produto em Londrina. O responsável pelo local foi preso e, conforme a Denarc, mensagens no celular dele levaram aos demais suspeitos.

Um policial civil, um policial militar e um agente penitenciário não foram presos. A Denarc pediu a prisão dos três, porém a Justiça determinou o monitoramento eletrônico e afastamento dos cargos públicos.

As ordens judiciais contra os servidores foram cumpridos pelas corregedorias. Os policiais também tiveram que entregar as armas funcionais e os coletes.

No cumprimento dos 14 mandados de busca e apreensão, em casas, apartamentos e academias da zona norte da cidade e no bairro Gleba Palhano, que fica na região sul, foram apreendidos anabolizantes ilegais, três carros e documentos.

Cinco pessoas flagradas cápsulas de anabolizantes, aparelho de laboratório utilizado para a produção da substância foram levadas à delegacia para prestar esclarecimentos.

Um mandado de prisão foi cumprido contra uma pessoa que está detida em um presídio, segundo a Polícia Civil.

As autoridades de saúde condenam o uso de anabolizantes para fins estéticos. Segundo o Conselho Federal de Medicina, esse tipo de substância só deve ser receitada por endocrinologistas, mediante receita especial, para casos graves de doenças em que não há produção de hormônio ou que causam enfraquecimento, como casos avançados de HIV ou que ocorrem no envelhecimento.

O grupo investigado deve responder por lavagem de dinheiro e por falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais.

FONTE – G1 PR

Nenhum comentário