Últimas notícias

Médico formado na UEL morre em assalto na capital paulista

A UEL (Universidade Estadual de Londrina) emitiu nota de pesar na manhã desta segunda-feira (12) pela morte do médico gastroenterologista Roberto Kunimassa Kikawa, 48, morto durante um assalto no último sábado (10), em São Paulo. Kikawa formou-se em medicina pela UEL em 1994 e, em 2008, fundou o Projeto Cies, conhecido nacionalmente como Carreta da Saúde, que consiste em levar atendimento de saúde até os pacientes do SUS em situação de vulnerabilidade social.

Na noite de sábado, Kikawa havia saído para jantar com sua equipe em uma pizzaria, na capital paulista. Ao retornar, por volta das 23 horas, ele deixava uma funcionária em casa, no bairro Ipiranga, quando foi abordado por dois rapazes armados que deram voz de assalto. Segundo testemunhas, o médico saiu do veículo em que estava pedindo calma aos assaltantes, mas um deles disparou duas vezes contra Kikawa. Um dos disparos atingiu a região da axila e o outro, o abdômen. O médico foi socorrido em um hospital do bairro, mas não resistiu.

Ele era casado com a médica oftalmologista Mirna Hatanaka Kikawa, que também atua no Projeto Cies, e deixou dois filhos pequenos.

A nota de falecimento publicada no site do projeto lembra que a iniciativa partiu de um juramento feito ao pai, doente de câncer, de que ele seria um médico "mais humano, que olhasse nos olhos das pessoas e os atendesse com a atenção que mereciam". Kikawa dedicou-se aos pacientes mais humildes e com menos recursos.

Em dez anos de atuação na Carreta da Saúde, Kikawa deixou um legado de mais de dois milhões de pacientes do SUS assistidos e cerca de 600 profissionais de saúde e administrativos engajados no projeto.

O ex-aluno da UEL ingressou na universidade de medicina em 1988. Paulistano, veio para Londrina para cursar a faculdade e, ao concluir o curso, em 1994, retornou a São Paulo. Kikawa cursou o mestrado em cirurgia do aparelho digestivo, especializou-se em residência médica e em endoscopia digestiva alta e baixa e, atualmente, era diretor do Cies Global (Centro de Integração de Educação e Saúde), entidade sem fins lucrativos criada para oferecer exames, consultas e cirurgias de baixa e média complexidade à população em unidades modulares.

Pelo projeto, recebeu, em 2010, o prêmio Empreendedor Social, realizado pelo grupo Folha de São Paulo, que representa no Brasil a Fundação Schwab, instituição responsável pelo Fórum Econômico Mundial. Pelo mesmo trabalho, também foi reconhecido com o prêmio Empreendedor do Ano, em 2011, concedido pelo Ernst&Young Terco.

O Cies opera atualmente mais de 150 unidades móveis que chegam a até 15 metros de comprimento em uma área total de 100 metros quadrados. As unidades móveis contam com salas de atendimento com equipamentos de diagnósticos de alta tecnologia e capacidade para nove mil atendimentos por mês, em dez especialidades médicas, reduzindo as filas de espera por consultas, exames e cirurgias de baixa e média complexidade.

O Cies atua em parceria com secretarias de saúde de municípios em São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, além da cidade de Marietta, localizada no estado da Geórgia, nos Estados Unidos. Em Assunção, capital paraguaia, o Cies realiza ações de saúde em comunidades carentes em parceria com organizações privadas. Na Colômbia, o projeto está em processo de registros para poder iniciar suas atividades.

VELÓRIO

O culto de despedida ao médico Roberto Kikawa acontece às 13 horas desta segunda-feira (12), na Igreja Holiness do Bosque, congregação que o médico frequentava. Às 15 horas, o corpo segue para o Cemitério da Consolação, onde será feito o sepultamento, às 16 horas. Os eventos serão abertos ao público.


Simoni Saris
Reportagem Local/FOLHA DE LONDRINA

Nenhum comentário