Últimas notícias

Vazamento de gás põe em risco moradores de condomínio em Curitiba

Cerca de 1,5 mil moradores de um condomínio no bairro Ganchinho, em Curitiba, vivem com medo de explosões. O local tem um vazamento de gás crônico que, incomoda quem vive no local, pelo menos desde 2013. A situação parece estar longe do fim.
A obra foi realizada pela construtora AM5 e financiada pela Caixa Econômica Federal, por meio do programa "Minha Casa, Minha Vida".
A professora Vânia Felton conta que foi morar no local para fugir do aluguel. Mas apesar de conseguir a casa própria, a família ainda não consegue dormir em paz. "Você mora com medo de poder acontecer uma explosão, em qualquer um dos blocos, e todos os moradores acabarem sofrendo as consequências", diz.
O cheiro de gás está presente em todo o condomínio, tanto dentro, quanto fora dos apartamentos. Os moradores passam os dias com as janelas abertas, temendo que algo possa acontecer. "[O cheiro] vem pelas tomadas e está bem precário onde eu moro. Quando dorme, tem que desligar tudo, porque senão, qualquer dia, a gente acorda com tudo pelos ares", diz a moradora Eva dos Santos.
No início deste ano, o cheiro do vazamento se intensificou e a administração do condomínio emitiu um alerta aos moradores. Durante o dia, eles devem deixar portas e janelas abertas, para que o gás circule e não fique concentrado nos apartamentos.
Desde que o condomínio foi entregue, os moradores tentam solucionar os problemas. Além da construtora e da Caixa Econômica Federal, eles também procuraram o Ministério Público. Os promotores emitiram uma notificação aos responsáveis pela obra, mas nem a empreiteira, nem o banco resolveram o problema.
No sábado (9), um engenheiro da Caixa esteve no condomínio para avaliar a situação. Em um e-mail enviado ao síndico, ele deixa claro o risco aos moradores. "Verifiquei diversos vazamentos e alguns blocos em estado crítico, que sujerimos (sic) que seja fechado o sistema de gás e utilizado gás de botijão. (...) Aconselho os moradores a deixarem as portas e janelas abertas para que o gás não confine e não corra risco de explosão", afirma o profissional no texto.
Em um dos blocos, com 16 apartamentos, a orientação do engenheiro foi seguida. Não há mais fornecimento de gás aos moradores. Mesmo assim, a moradora Martha dos Santos ainda sente o cheiro de gás dos vizinhos e segue com medo. "O gás do pessoal passa pelo meu apartamento. Então, toda vez que eles ligam, o acúmulo de gás fica todo no meu apartamento", conta.
Em nota, a AM5 disse que os problemas foram ocasionados após obras de acabamento realizadas por outras empresas, depois da entrega dos apartamentos. A construtora diz que vem conversando com os moradores e já apresentou algumas propostas para resolver o problema. A Caixa, por sua vez, informou que está fazendo uma vistoria no condomínio e que, se for preciso, vai notificar a construtora para resolver a situação.
A empresa que fornece o gás para o condomínio também se prontificou a ajudar na resolução do problema.
FONTE - G1 PARANA

Nenhum comentário