Mais de 75% dos brasileiros desconfiam dos políticos



Não é de hoje que a população brasileira demonstra descrédito nos representantes que ela própria elege. Uma pesquisa de opinião pública realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta que a insatisfação em todas as regiões, faixas etárias e de renda é generalizada. Dentre os 1.568 entrevistados, 83% desconfiam do presidente, Michel Temer (PMDB-SP), e 78% dos políticos e partidos. Os números foram coletados pelo Ibope em diversos municípios, de todo o território nacional, durante o mês de agosto.

Por outro lado, os brasileiros depositam credibilidade na Igreja (61%), nos militares (46%) e nos juízes (42%). Também se mostram majoritariamente otimistas: 54% consideram que a qualidade de vida nos próximos cinco anos estará melhor. O estudo se divide em dois eixos centrais. O primeiro, denominado "A Confiança no Brasil", destaca a confiança dos indivíduos sobre a política, a economia e a estrutura social em geral, associando essas variáveis às expectativas a respeito do futuro. O segundo, chamado de "O coração do brasileiro", analisa o comportamento diante de várias questões da estrutura social.

Para a FGV, o período atual, no qual projetos políticos e econômicos vêm sendo intensamente debatidos na busca por soluções duradouras de superação da crise, pode ser visto como um momento privilegiado para a discussão sobre o futuro. "A análise dos dados nos traz um cenário preocupante, no qual parcela considerável de indivíduos está sob o impacto das crises política e econômica, o que acaba por resultar num arranjo social marcado pela preocupação com o futuro e por uma série insatisfações", diz a instituição.

IMPOPULARIDADE
Representantes de legendas ouvidos pela FOLHA reconhecem que a imagem dos políticos perante a sociedade, que já não era das melhores, piorou. "Na verdade, eu me surpreendo que exista alguém que ainda confie em partidos e políticos de maneira geral", disse o deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB), líder do governo Beto Richa (PSDB) na Assembleia Legislativa (AL) do Paraná. Segundo ele, as pessoas confiam em quem conhecem. "Exemplo: foi feita uma pesquisa em Cornélio Procópio, cidade de 50 mil habitantes. A pesquisa demonstra que eu tenho uma intenção de votos para deputado estadual de 45%. Tenho um nível de confiabilidade alto."

De acordo com o parlamentar, o mesmo acontece em outros municípios de sua base. "As pessoas me conhecem e conhecem a minha atuação. Elas me respeitam como Romanelli. Agora, se você colocar o ‘gênero’ dos políticos como um todo, a desconfiança da população é brutal. Ou seja, as pessoas confiam ou não confiam em quem elas conhecem." Para o deputado, a estrutura dos partidos está extremamente fragilizada, sem que ninguém se importe. "A gente devia fazer uma reforma nos estatutos dos partidos; torná-los democráticos, acabar com as comissões provisórias e criar outros mecanismos que dessem mais transparência", sugeriu.

O líder do PT na AL, Professor Lemos, foi na mesma linha. "Essa conjuntura que a gente atravessa nos últimos anos leva mesmo a população a desacreditar da classe política. Não estão faltando escândalos. Não é a maioria dos políticos que se envolve, mas como a notícia é recorrente e em diferentes esferas e partidos, isso acaba fazendo com que a população nos rejeite. Não é bom. Precisamos que a população participe da política, senão ela fica refém de poucos, dos que não têm interesse coletivo ou querem tirar vantagem, fazer negócio", pontuou.

O petista defendeu a realização de uma reforma política profunda, que dê condições de a população participar do processo político, em igualdade de condições. "Porque hoje é desleal para a maioria. Às vezes, a pessoa tem disposição para fazer um bom trabalho, mas percebe que é muito difícil. Alguns têm privilégio, pela lei eleitoral, em detrimento de outros - as mulheres, por exemplo, disputam em desvantagem, assim como os trabalhadores, com menos dinheiro para se autofinanciar (…) Essa reforma eleitoral recente não é boa. Tinha que ter uma Assembleia Nacional Constituinte só para a reforma."

Na avaliação do deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB), a política está em baixa já há muitos anos, mas em qualquer país do mundo. "Os problemas se avolumam no mundo moderno e, como o parlamento não é autorresolutivo, não tem condições de resolver. Nosso regime é presidencialista. Não é como na Europa [parlamentarista]. Eventualmente, alguns poucos recursos conseguimos canalizar para a base, via emendas. Não há compreensão desse processo, de que educação, saúde, segurança, etc., são ligadas ao Executivo. O parlamento acaba levando a culpa, mas o problema é o mau funcionamento do Poder Executivo", comentou.

Ainda assim, o tucano considerou a fase atual como a mais difícil da história. "É uma crise econômica, social, ética e moral. Agora, quem pode melhorar a política é o eleitor. Depois que elegeu.... Continuam mandando gente ruim para lá [Congresso]. Tem que estancar esse processo.
O parlamento brasileiro não é nada mais do que um retrato da sociedade brasileira. Cada vez tem mais representante de pessoas ricas, de segmentos de igreja, da música... É claro que da outra parte se espera fazer leis melhores. Tínhamos votado a cláusula de barreira e, infelizmente, o STF (Supremo Tribunal Federal) declarou inconstitucional. Era pra ter só sete partidos hoje. Então, a culpa não é do parlamento."



VOLTA AO PASSADO
O cientista político Clodomiro Bannwart, professor do Departamento de Filosofia da Universidade Estadual de Londrina (UEL), lembrou que as três instituições de maior credibilidade junto à população são aquelas que se valem de um argumento de autoridade, impositivo. "A igreja usa a fé, os militares a força e o Judiciário a prerrogativa do próprio Estado. São essas as esferas também que ao longo da história exerceram o autoritarismo. Basta lembrar do golpe militar. Hoje, num cenário empírico, que você tem uma crise do ponto de vista político, exposta, real, me parece que voltamos às origens", destacou.

De acordo com ele, essa situação se opõe à garantia do poder social e democrático. "Acham que a Igreja tem a verdade, que os militares podem intervir para acabar com a ‘bagunça’ e que o Judiciário é o grande salvador da pátria, o guardião da lei e, portanto, nossa última reserva para o cumprimento da ordem. É um olhar retrospectivo, do passado, pensado como forma de se estancar a crise", prosseguiu.

Bannwart afirmou ainda que as duas forças com visões mais progressistas surgidas após a redemocratização, PT e PSDB, nunca conseguiram avançar sem a presença do PMDB, legenda que segue no poder. "E não temos no horizonte forças fora dessas ‘constelações’. Permanece o PMDB, um partido fisiológico. Além disso, temos a criminalização do próprio sistema político. Mas, numa situação trágica como essa, não há saída rápida. A solução passa por intensificar, ampliar e aprofundar a democracia, e não por retornar ao passado", opinou.
Mariana Franco Ramos
Reportagem Local/FOLHA DE LONDRINA
Mais de 75% dos brasileiros desconfiam dos políticos Mais de 75% dos brasileiros desconfiam dos políticos  Revisado por Blog do Chaguinhas on 08:26:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Anúncios