Últimas notícias

Operação Verão tem mais de 700 salvamentos

Tanto no mar quanto nas piscinas, as crianças devem sempre ser supervisionadas por adultos, ainda que utilizem boias e outros equipamentos


O número de ocorrências de salvamento aumentou 36% durante a Operação Verão Paraná. Os dados foram divulgados pelo Corpo de Bombeiros. Entre os dias 21 de dezembro e 10 de janeiro, 713 ocorrências foram registradas em todo o Estado contra 524 no mesmo período da temporada anterior. O número de mortes se manteve em quatro vítimas. A última foi registrada na tarde desta quarta-feira (10). O jovem Itamar Jorge, 21, morador de Londrina, passava férias em Caiobá, no município de Matinhos (Litoral), quando se afogou próximo a outras duas pessoas.

A soldado Noemi Cristina Bayuk e outro guarda-vida foram chamados e conseguiram resgatar um homem de 45 anos e um adolescente de 13, ambos do Paraguai. Os dois comentaram da presença do jovem minutos antes, mas as equipes enfrentaram dificuldades para localizá-lo. "Comecei a nadar e a procurar. Pedimos apoio e a ação foi bem rápida. Fizemos buscas por mais de uma hora. Não se sabe se ele teve uma síncope (perda dos sentidos) porque, normalmente, conseguimos visualizar a pessoa se debatendo ou pedindo socorro", lamentou Bayuk.

O trio estava em uma área sinalizada por bandeiras pretas (quando não há guarda-vidas). Conforme a soldado, o mar estava agitado em razão da mudança de lua. Uma aeronave do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas e equipes com motos aquáticas auxiliaram os trabalhos. A terceira vítima foi vista pela tripulação do helicóptero e resgatada em seguida. Mesmo com massagem cardíaca e o uso de desfibrilador, o rapaz não resistiu.

A chefe de Comunicação Social da Operação Verão, capitã Rafaela Diotalezi, destacou que o rapaz pode ter sido levado pelo mar até a área onde não havia guarda-vidas. O aumento no número de turistas nesta temporada, segundo a capitã, também resultou em mais ocorrências atendidas pelas equipes do Corpo de Bombeiros. "Aumentaram o abuso e a imprudência. A praia está bem sinalizada, mas alguns banhistas acabam indo em locais onde não deveriam e vão ainda mais para o fundo do mar", ressaltou.

As equipes orientam que os banhistas procurem sempre áreas sinalizadas pelas bandeiras vermelhas sobre a cor amarela que indica que o local é protegido pelos guarda-vidas. Também é importante perguntar ao profissional qual é a melhor área para banho naquela região. As crianças devem usar pulseiras de identificação para evitar que se percam na orla.

No interior do Estado, áreas como rios, cachoeiras e lagos também exigem a atenção dos turistas. Segundo a chefe de Comunicação Social do Corpo de Bombeiros de Londrina, Luana da Silva Pereira, as pessoas devem evitar nadar em locais em que não conheçam a profundidade e o relevo do ambiente, já que podem ser feridas por pedras, galhos ou ainda ficar presas no fundo da água. "Também não se deve ingerir bebida alcoólica e entrar na água. Brincadeiras como subir em pedras e mergulhar também são muito arriscadas. Como não se tem visibilidade do fundo da água, os turistas desconhecem os riscos", alertou.

Tanto no mar quanto nas piscinas, as crianças devem sempre ser supervisionadas por adultos, ainda que utilizem boias e outros equipamentos. "Quando alguém se afogar, por mais que as pessoas envolta queiram ajudar e pular na água, isso não é aconselhável, mesmo que a pessoa de fora saiba nadar. Para o resgate, é preciso utilizar técnicas e materiais adequados. Tendo algo que flutue, é possível lançar para a pessoa que está se afogando, mas não entrar na água", explicou. O ideal é entrar em contato com o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193. A Operação Verão segue até 14 de fevereiro.
Viviani Costa
Reportagem Local/FOLHA DE LONDRINA

Nenhum comentário