Últimas notícias

Requião confirma que irá disputar o governo do Paraná

Roberto Requião disse, à FOLHA, que quer "devolver o que o Estado foi" e resgatar a "moralidade e boa administração"


Curitiba - O senador Roberto Requião (MDB) confirmou sua pré-candidatura ao governo do Paraná nas próximas eleições que acontecem em outubro deste ano. O político apresentou seu nome para ser votado na próxima convenção estadual do partido. Em entrevista à FOLHA, Requião disse que quer "devolver o que o Estado foi" e resgatar a "moralidade e boa administração".

"Venho para devolver ao Paraná uma situação que ele já viveu, de desenvolvimento, de tranquilidade social, de apoio a agricultura. Então, o que é o MDB no Paraná? O MDB é o 'Leite das Crianças', é o 'Panela Cheia', é o primeiro lugar no Fundeb, é a irrigação noturna", discursou.

Por meio de nota no site oficial, o partido confirmou o interesse de Requião em disputar o cargo de governador. "O MDB é o partido mais forte do Paraná, que tem a possibilidade de estar construindo a melhor chapa de candidatos a estadual, federal, entre todos os partidos. E eu estou sendo incitado pela base partidária a disputar essa eleição contra o tucanistão, que é a incompetência aliada à corrupção", contou.

No fim do ano passado, até surgiram rumores de que Requião apoiaria a candidatura de Osmar Dias (PDT) e, dessa maneira, disputaria o Senado novamente. "Nós estávamos tentando fazer uma frente política, porque o importante é devolver ao Paraná a credibilidade do governo, o desenvolvimento e a decência com o fim da corrupção. Mas até hoje eu não sei o que o Osmar vai fazer, não sei se ele fica nesse partido, se vai para o PSB", revelou.

Outra especulação dos últimos meses seria a aliança de Requião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O senador era cotado para ser o vice do petista na chapa que concorrerá à Presidência da República. "Isso é uma homenagem que o pessoal progressista e nacionalista fez pelas posições que eu tenho tomado em nível nacional. A cobrança que o partido me faz hoje é ser candidato. Eu sou presidente do partido e não posso faltar a essa cobrança que me fazem", disse.

Além de Requião, quatro políticos já se colocam abertamente como pré-candidatos ao governo em 2018 para suceder o governador Beto Richa (PSDB): o deputado estadual Ratinho Junior (PSD), o ex-senador Osmar Dias (PDT), a atual vice-governadora Cida Borghetti (PP) e o ex-deputado estadual e prefeito de Guarapuava Cesar Silvestri Filho (PPS). Um sexto candidato esperado é Dr. Rosinha (PT), que aguarda a convenção partidária nos próximos meses para confirmar se vai para o pleito.

"A corrupção tomou conta da estrutura no Estado e o PSDB, o tucanistão, ensaia sair na eleição com puxadinhos. O Ratinho é um puxadinho do governo, ex-secretário do governo, votou sempre a favor do governo em tudo: contra professores, pela privatizações, o avanço no dinheiro da previdência. A Cida é minha amiga, não posso falar mal da Cida, mas é vice-governadora do Beto Richa e é mulher do Ricardo Barros", desabafou.

Requião governou o Paraná por três mandatos: 1991-1994, 2003-2006 e 2007-2010. Em 2010, foi eleito senador e está no seu último ano de mandato. Nas últimas eleições para governo, em 2014, o emedebista disputou o cargo, mas terminou em segundo lugar, com 27,56% dos votos. Na ocasião, o atual governador Beto Richa foi eleito em primeiro turno pela escolha de 55,67% do eleitorado paranaense.
Francielly Azevedo
Especial para a FOLHA DE LONDRINA

Nenhum comentário