Últimas notícias

Delegado-chefe de Londrina diz que as investigações sobre morte de policial estão avançando e nega prejuízos

Osmir Ferreira Neves declarou que há várias linhas de investigação e negou que caso será prejudicado por falta de estrutura da Polícia Civil. Na segunda-feira (19), delegado de Homicídios declarou que diligências estão prejudicadas.

As investigações sobre a morte do policial militar Wagner da Silva Prado em Londrina, no norte do Paraná, estão avançando. O delegado-chefe da Polícia Civil, Osmir Ferreira Neves, disse, nesta terça-feira (20), que há várias linhas de investigação e que há uma troca de informações entre as polícias Civil e Militar.

"Os trabalhos são feitos dioturnamente, as investigações não pararam desde o dia do crime. A atividade policial demanda risco e está sujeita a represárias. A população precisa saber que a resposta sobre esse caso virá rápido", declarou. 

Prado, de 35 anos, foi morto no sábado (17) em frente a uma padaria no Conjunto São Lourenço. O soldado estava de folga no momento em que foi executado com vários tiros por dois homens encapuzados que estavam em uma moto. 

Câmeras de segurança da empresa e de estabelecimentos vizinhos registraram quando os suspeitos atiraram no policial. Essas imagens foram entregues e fazem parte do inquérito aberto pela Polícia Civil.
Ainda não há informações sobre a motivação do crime, mas a Polícia Militar (PM) e a Civil disseram que o crime não teve características de roubo. 

Além de ressaltar a investigação sobre o caso, Neves ainda rebateu a declaração do titular da delegacia de homicídios Ricardo Jorge, único delegado na unidade especializada na cidade, de que as diligências serão prejudicadas por falta de estrutura.
 
Na segunda-feira (19), Jorge informou que uma equipe foi designada para cuidar do caso, mas ficará de folga até a próxima segunda-feira (26), o que pode atrasar pedidos judiciais e assim prejudicar o trabalho. 

Osmir Ferreira Neves afirmou que se a equipe de investigadores precisar, delegados que estão de plantão ou de outras unidades serão chamados. 

"Todos os delegados de Londrina, seja de unidades especializadas ou de distritos, participam da escala. Porém, nos períodos de folga legal dessa jornada de plantão, a unidade especializada não fecha. Os investigadores e escrivães que trabalham nessas delegacias permanecem na condução dos trabalhos. Em eventual necessidade de um delegado, pra presidir uma oitiva ou outro procedimento, é acionado o próprio plantão ou outro delegado da cidade", detalhou Neves. 

FONTE - G1 PR

Nenhum comentário