Últimas notícias

AGRICULTURA - O monitoramento no dia a dia do produtor

José Aparecido Cardoso está sempre atento à presença de pragas na lavoura, como o percevejo, e reconhece o importante papel dos inimigos naturais: "A gente tenta evitar ao máximo a utilização de química".
O impacto positivo que predadores naturais podem ter na lavoura para o controle de pragas, sem dúvida, chama a atenção de produtores. Eles entendem a importância desses insetos, mas confirmam que têm dificuldades de associar o controle biológico natural com a aplicação de defensivos químicos, que muitas vezes eliminam tais insetos benéficos.

José Aparecido Cardoso é produtor numa área de 50 alqueires em Tamarana. Ao ver um vídeo divulgado pela Embrapa em que a 'tesourinha' faz um controle super eficiente da lagarta-do-cartucho, ele não teve dúvidas que precisava compartilhar em todos os grupos de WhatsApp de produtores que fazia parte. "Maior pecado matar esses insetos", lamentou ele.

Em conversa com a FOLHA, Cardoso - que trabalha basicamente com soja, aveia branca e trigo - disse que percebe que insetos como a tesourinha, aranhas, besouros e vespas têm uma eficiência enorme contra lagartas, pulgões entre outros predadores. "Este ano fiz duas aplicações de inseticida em algumas áreas e uma aplicação em outras. A gente tenta evitar ao máximo a utilização do químico (para que esse controle natural continue eficiente)."

Na opinião do produtor, a grande dificuldade está em controlar o percevejo. "Neste caso, é muito complicado, porque os inseticidas são à base de piretroide, que desbalanceiam demais o meio ambiente e eliminam fortemente esses predadores naturais. Na hora da aplicação, a gente fica até com dó desses insetos. Estou procurando um produto biológico para controle."

Se de um lado ele tem grande esperança de novas tecnologias para o controle do percevejo, por outro também fala da ganância das empresas de defensivos. "Eles querem vender produto e não se preocupam em nada com o restante", critica ele, que também acha que os produtores precisam se conscientizar mais sobre o uso do controle biológico de pragas. (V.L.).


Victor Lopes
Reportagem Local/FOLHA DE LONDRINA

Nenhum comentário