Após reprovar filha de Eduardo Cunha, funcionário do Detran-RJ é punido. Servidor acabou condenado um mês depois da acusação do presidente da Câmara



O examinador de trânsito Antônio Antunes Coimbra não fazia ideia de quem estava reprovando na prova de baliza do dia 5 de junho de 2008, na Ilha do Fundão. Quando a jovem de 18 anos entrou na vaga sem ligar a seta, ele marcou três pontos de punição. Em seguida, a candidata saiu da vaga com o freio de mão puxado. Menos dois pontos e a reprovação. Coimbra garante que, após comunicar o resultado à moça, procurou confortá-la, dizendo que ela teria nova oportunidade em breve. Desde então, Coimbra ou Tunico, como é conhecido no Detran-RJ o irmão do ex-jogador Zico, nunca mais foi chamado para a banca de examinadores. Ele levou dois dias para descobrir que havia despertado a ira do deputado Eduardo Cunha, então vice-líder do PMDB na Câmara. A reprovada era Camilla Ditz da Cunha, filha do parlamentar. Em carta ao Detran, Cunha acusou Tunico de tentar extorqui-la. O poder público agiu rápido e foi implacável: submetido a uma sindicância interna, o examinador foi punido com 30 dias de suspensão, sem vencimentos, além do afastamento das provas. Até hoje, o irmão de Zico tenta anular a punição na Justiça. Ele incluiu no processo, que tramita desde 2009 na 8ª Vara de Fazenda Pública, o conteúdo de um email enviado na época por Sérgio Cabral à Presidência do Detran, na qual o então governador fluminense elogia a família Antunes, “sinônimo de honestidade e caráter”, e critica Cunha: “Esse senhor que acusa um membro da família (de Zico) é sinônimo do que há de pior na vida pública brasileira”. Em seguida, garante aos Antunes: “No meu governo, bandido não tira onda de mocinho”. Mas Cunha conseguiu o que queria.
‘DÁ PARA ENTRAR E SAIR DUAS VEZES DA VAGA’
Tunico examinava cerca de 20 candidatos por dia. Ele explicou que, como qualquer outro inscrito na prova prática, Camilla foi avaliada por dois funcionários: Jairo Ferreira de Melo a acompanhou a candidata dentro do carro, e Tunico,do lado de fora, anotando na ficha. Ele disse que, antes de começar, foi à porta do veículo e repetiu o que dizia a todos: “Não se esqueça do que aprendeu na autoescola. No tempo máximo, dá para entrar e sair duas vezes da vaga.”
O ministro Teori Zavascki é o relator do pedido de afastamento do presidente da Câmara, Eduardo CunhaTeori diz que STF precisa examinar se Cunha pode substituir Dilma e Temer
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidindo a sessão no plenário
Cunha emplaca aliado em comissão que julgará seus recursos
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, discute com deputadosCunha perde votação, manda votar de novo e, aí, ganha
Com a reprovação, Tunico lembra que foi novamente à porta do carro para se despedir. Neste momento, garante, disse a Camilla que ninguém era infalível e que teria a outra chance. Em seguida, caminhou até a banca de exames. Jairo permaneceu no local, fechando a ficha. Dias depois, em depoimento, Jairo contou que Camilla recebeu o resultado aos prantos.
Na carta entregue ao então presidente do Detran, Sebastião Faria, seis dias depois, Eduardo Cunha apresentou outra versão. Afirmou que Camilla foi abordada antes do exame por um funcionário do posto do Detran/Fundão, que teria exigido R$ 400 para aprová-la. Ao se recusar, a jovem teria percebido, segundo o pai, que os demais candidatos haviam pago. “Em seguida, no momento da prova da minha filha, o fiscal Antônio Antunes Coimbra sequer olhou o que ela fazia, retirou os pontos, alegando que não teria colocado a seta. Confirmei que este fato não aconteceu ao falar ao telefone com o seu instrutor", escreveu Cunha.
A sindicância contra Tunico foi instaurada no mesmo dia e levou apenas um mês, segundo ele, até chegar ao resultado. O irmão de Zico disse que, como o Detran não recebeu provas da suposta tentativa de extorsão, puniu-o por insubordinação. Na sindicância, há relatos de confusão envolvendo Tunico no dia do exame de Camilla e uma denúncia anônima contra o examinador, datada de abril de 2008, na qual um suposto candidato diz ter pago propina ao funcionário. — Reconheço: já bati boca com presidente de bancas examinadoras. Naquele ano mesmo, no Fundão, me insurgi contra a mudança no traçado da prova, que passou a ter um trecho na contramão. Mas, desonesto, jamais — defende-se.
Hoje aposentado, após trabalhar no Detran de 1973 a 2015, Tunico não se conforma com o desfecho do caso. Como os funcionários ganhavam gratificação por exame realizado, ele disse que sofreu um baque financeiro. Para Tunico, a maior prova a seu favor foi o arquivamento do caso da 37ª Delegacia Policial (Ilha do Governador). Como Camilla não apareceu para depor, o delegado Fabio Asty Dantas concluiu não haver justa causa para a abertura de inquérito policial.
— Fiz tudo o que podia. Minha família deu todo o apoio. Um dos meus irmãos, Edu, chegou a apelar a Sérgio Cabral. O governador prometeu para mim, num jogo beneficente no Maracanã, que tomaria providências. Mas nada aconteceu. Prevaleceu a palavra do Eduardo Cunha.
O processo, no momento, encontra-se com o Ministério Público. Procurado, o Detran-RJ confirmou a punição, mas não quis se manifestar. Sugeriu ouvir a Procuradoria Geral do Estado, que representa o órgão junto à Justiça.
Após reprovar filha de Eduardo Cunha, funcionário do Detran-RJ é punido. Servidor acabou condenado um mês depois da acusação do presidente da Câmara Após reprovar filha de Eduardo Cunha, funcionário do Detran-RJ é punido. Servidor acabou condenado um mês depois da acusação do presidente da Câmara Revisado por Blog do Chaguinhas on 09:08:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Anúncios