Últimas notícias

O Paraná não suporta mais aventuras, diz Osmar Dias

“Não é hora de apostar numa aventura, é hora de votar em quem a gente sabe que vai dar conta do recado, senão nós vamos colocar o Paraná e o Brasil mais próximo do abismo”, afirmou.
 
Em palestra aos estudantes da UCP – Faculdade do Centro do Paraná, em Pitanga, o pré-candidato do PDT ao governo, Osmar Dias, alertou para a importância das eleições de outubro e ressaltou a necessidade de mudança no sistema politico brasileiro. “A população tem que estar atenta como os políticos estão se comportando nesse momento. O Paraná não pode errar, o Brasil não pode errar, tem que colocar gente séria, competente, com experiência.Não é hora de apostar numa aventura, é hora de votar em quem a gente sabe que vai dar conta do recado, senão nós vamos colocar o Paraná e o Brasil mais próximo do abismo”, afirmou.
 
Segundo Osmar, a eleição será a oportunidade de mudar o sistema politico do pais e do Estado, em que prevalece a barganha e o loteamento de cargos públicos. “Apesar da Lava Jato, os políticos continuam a barganha entre partidos. Para se fazer aliança tem preço, pra se fazer uma filiação de um deputado tem preço, isso é um leilão, é uma vergonha. Não dá para continuar com esse modelo de dar apoio politico em troca de cargos no governo. Essa é a raiz da corrupção. Eu sou o candidato contra o modelo que está implantado hoje no Paraná”, disse.
 
Segundo Osmar, é preciso rever a relação entre o Executivo e o Legislativo, em que deputados se acham donos de partes do Estado e loteiam cargos.  “O dono do estado é a população. Quero romper com esse sistema de nomeações políticas sem qualificação técnica para ocupar funções públicas. Se for eleito farei um governo sério, austero, rigoroso para acabar com a gastança”, afirmou.
 
Para Osmar, o próximo governador terá muitos desafios para reorganizar o estado e fortalecer a economia.“O Paraná não é o que está na propaganda da televisão. Tivemos uma antecipação de receita de R$ 3,4 bilhões, o governo vendeu ações da Sanepar e da Copel, não deu reajuste para os funcionários públicos, gastou 33% dos depósitos judiciais e tirou bilhões do caixa da ParanaPrevidência.O ajuste fiscal foi feito em uma perna só, aumentando impostos e a carga tributaria”.
 
Ainda em Pitanga, em encontro com produtores rurais e em palestra na sede da OAB, Osmar assumiu o compromisso de realizar uma nova reforma tributaria que não penalize os micro e pequenos empresários.
 “Isso precisa ser revisto com urgência, precisamos ampliar a base de arrecadação trazendo mais empresas e mais investidores, fazendo a agroindústria do Paraná ser um motor para puxar nossa economia que é a nossa vocação, disse”.

Nenhum comentário